GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
22nd International Conference and Exhibition on P ...
(22/5/2018 - 24/5/2018)
Marriott Houston Westchase, Houston, TX USA
PennWell Corporation

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Distribuição - Novidades Tecnológicas
  Autor/Fonte: Brasil Econômico/Clipping CanalEnergia
  Data: 19/03/2014

    Comgás lança programa para troca de condicionadores de ar


 

Pacote para comércio e indústria inclui parcerias com fabricantes e subsídio para compra de aparelhos movidos a gás

Com uma economia de até 30% no custo operacional em relação ao sistema convencional elétrico, linhas de crédito para atrair novos consumidores e a ampliação do portfólio de equipamentos através de novos parceiros, a Comgás, empresa do grupo Cosan, que opera os gasodutos paulistas, pretende firmar 2014 como o ano do ar condicionado movido a gás natural. Neste mês de março/2014, a companhia apresenta ao mercado um programa estratégico para a difusão do GHP (Gas Heat Pump), sistema de resfriamento de ambientes que utiliza o  gás ao invés da energia elétrica, com a previsão de saltar dos atuais seis mil pontos instalados ao longo dos últimos sete anos para 12 mil nos próximos dez meses.

As primeiras instalações da tecnologia, que é destinada à indústrias e grandes empreendimentos como shoppings, hotéis, hospitais, supermercados e edifícios comerciais, foram feitas pela Comgás em meados de 2006. De lá para cá, segundo Luis Henrique Guimarães, diretor-presidente da Comgás, foi feito um trabalho de desenvolvimento, testes e aprimoramento de um modelo que, ainda incipiente, também exigia investimentos mais elevados. E foi na metade do ano passado, após a Cosan assumir o controle da empresa de gás, que veio a decisão para uma aposta mais robusta. Entre os departamentos de marketing e comercial, foi então criado um setor estratégico que, para além da parceria que já existia desde o início com a Panasonic, agora formalizou a entrada de duas novas provedoras de equipamentos: a Yanmar (marca do grupo Toyota) e a LG. Outras duas fabricantes ainda podem entrar na lista de fornecedores da Comgás, totalizando cinco.

Se na década passada o investimento em uma central de ar condicionado a gás custava o dobro da convencional, movida a eletricidade, agora a diferença das soluções que serão ofertadas ficará na casa de 25%, por conta da gama reforçada de equipamentos. E com uma linha de crédito para o cliente final, a Comgás espera praticamente igualar o preço. "Isso vai depender de cada cliente. Cada caso é um caso", resume Guimarães, que mantém sob sigilo o volume total de investimentos nessa linha. O custo de uma central varia entre centenas de milhares de reais podendo chegar a R$ 3 milhões.

E em um movimento paralelo que pode reforçar a aposta da Comgás, o governo de São Paulo, através da Secretaria de Energia, estuda o lançamento de um pacote para acelerar a difusão do GHP, que consistiria em reduções tributárias para os equipamentos, além da reestruturação da política de preços e custos do gás natural. No âmbito federal, a Frente Parlamentar Mista Pró-Gás Natural discute um plano de incentivo à fabricação nacional dos dispositivos, que são todos importados da Ásia. Discussões essas que estão relacionadas ao aumento da demanda e à necessidade de diversificação de matrizes.

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a demanda comercial foi a maior responsável pelo aumento de 18,4% no consumo de energia elétrica em janeiro último (na comparação com o mesmo mês de 2012), quando o período da tarde apresentou um inédito horário de pico puxado pelos aparelhos de ar condicionado. "Às 15h não havia chuveiro ligado, micro-ondas ou iluminação  pública, que são os responsáveis pelo tradicional pico do início da noite. É por isso que tivemos uma mudança. E os sistemas de resfriamento responderam consideravelmente por isso", explica Alexei Macorin Vivan, diretor-presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Energia Elétrica (ABCE).

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013