GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Seminário Internacional - Mobilidade a Gás Natural ...
(22/11/2018 - 23/11/2018)
Hotel Hilton Copacabana – Av. Atlântica 1020
Abegás/Gas Natural Fenosa
Evento 100% dedicado ao mercado de GNV
Objetivo:
Apresentar as soluções tecnológicas e os b ...

 
 
Asset Management, Operational Excellence Forum for ...
(29/11/2018 - 30/11/2018)
Bilderberg Garden Hotel, Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
"Maintenance for Oil and Gas Petrochemical Europe"
The Asset Management and Operational Excelle ...

 
 
Global Forum on Procurement and Supply Chain Manag ...
(24/1/2019 - 25/1/2019)
Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
Global Forum on Procurement and Supply Chain Management for the Oil and Gas Industry has encountere ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Entrevistas
  Entrevistado: Solange Guedes, Exploração e Produção Petrobras
  Data: 27/10/2015

    O pré-sal é viável, mesmo com a queda do preço do petróleo


Diretora de exploração da Petrobras diz que a empresa renegocia contratos e baixa custos de produção no pré-sal
 
Solange Guedes comanda a diretoria de Exploração e Produção da Petrobras com a dura missão de transformar em dinheiro o projeto do campo de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos. Os recursos serão importantes para a estatal arcar com a maior parte de seu endividamento gigante que vence em 2020. Solange respondeu às perguntas por e-mail, enquanto participava da reunião do Conselho de Administração, em 23 de outubro de 2015.

O barril do petróleo foi negociado a US$47,99 em 23/10/2015, US$3 acima dos US$45 estabelecidos pela Petrobras como marca de viabilidade do pré-sal. O pré-sal continua viável ?

O pré-sal é o mais importante negócio da Petrobras e a mais relevante oportunidade energética que o Brasil dispõe. Ele tem se mantido lucrativo à companhia e com a exploração viável mesmo com a queda do preço no mercado.

Por quê?  

Em primeiro lugar, menos de dez anos depois da descoberta do pré-sal, já conseguimos consolidar uma infraestrutura para a exploração dos campos. Com isso, cada investimento adicional se torna cada vez mais competitivo. Em segundo lugar, a Petrobras tem obtido ganhos de escala. Só no último ano, o custo da produção por barril caiu 11%. Já o custo de construção dos poços, que representam 50% dos investimentos do pré-sal, caiu à metade de 2010 para cá. Estamos aproveitando este momento por que passa o setor para promover a redução dos custos operacionais. A principal estratégia é a renegociação de contratos. Todo o setor está se adaptando à nova realidade de preços.

Qual o efeito da queda do preço  sobre áreas em produção no pré-sal, como o campo de Lula, e sobre projetos em desenvolvimento, como o campo de Libra?

A Petrobras mantém 15 plataformas produzindo no pré-sal, todas com excelente desempenho mesmo com o patamar atual de preços. É claro que a queda no valor do barril força a empresa a otimizar ainda mais os seus projetos e a atualizar o seu portfólio de investimentos . É por isso que lançamos um novo plano de negócios, que prioriza as atividades mais rentáveis. Por reunir essas condições, o pré-sal é prioridade nos investimentos. Nosso portfólio de investimentos se mantêm viável e rentável.

Que preço mínimo o Brent deve ter em 2020 para viabilizar o campo de Libra?   

Essa é uma informação estratégica, sigilosa para a companhia e seus parceiros na operação. Os movimentos que o mercado global têm feito não indicam risco da inviabilidade da exploração de Libra, até porque estaremos, a cada dia, mais competitivos e eficientes.

Com a revisão de contratos, o ponto de equilíbrio para viabilizar o negócio cai para quanto?

Essa revisão está em curso, não podemos precisar esse número. Mas esse movimento tem ajudado a Petrobras a aumentar a competitividade.

Quanto da dificuldade de caixa passa pela queda do preço do petróleo e da consequente redução da rentabilidade do pré-sal, que já responde pela maior parte da produção da Petrobras?

Mesmo com a depreciação do barril, o pré-sal se manteve lucrativo. É claro que os preços têm prejudicado as receitas de todas as empresas do setor, mas estamos lidando com isso com disciplina para cortar custos e priorizar investimentos.

Como investir em Libra diante da limitação financeira?

Libra tem um enorme potencial econômico e continua com papel de destaque no nosso plano de investimentos, em parceria com nossos sócios.

Especialistas demonstram incerteza quanto ao novo patamar de preço do petróleo. O que garante à Petrobras que o pré-sal será viável em 2018/2020?

A Petrobras monitora de perto a projeção dos preços. Até o momento, nada indica que os preços se comportarão no sentido de inviabilizar a exploração do pré-sal. E a empresa tem aumentado sua eficiência.

O ano de 2020 é também o de vencimento da maior das dívidas da empresa. O ganho com Libra é suficiente para que a petroleira dê conta das necessidades financeiras nessa data?

A capacidade de se financiar da Petrobras não depende de Libra. É uma equação que envolve todas as áreas da companhia. Nosso resultado operacional crescente e sustentável só demonstra quanto o potencial de geração de receitas a partir da exploração do pré-sal é incontestável.

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013