GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
The Pipeline + Energy Expo
(4/4/2017 - 6/4/2017)
Cox Business Center, Tulsa, Oklahoma
PennWell

 
 
EXPOMAFE - Feira Internacional de Máquinas-Ferrame ...
(9/5/2017 - 13/5/2017)
São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Informa Exhibitions/Abimaq
Horários: 3ª a 6ª de 10 às 19h; Sábado de 9 às 17 h
Endereço: Rodovia dos Imigrantes Km 1,5

 
 
Power-Gen India & Central Asia
(17/5/2017 - 19/5/2017)
Pragati Maidan, New Delhi, India
PennWell

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Entrevistas
  Entrevistado: Odilon Camargo, da Camargo-Schubert
  Data: 21/09/2016

    À caça de bons ventos


Brasil ainda possui novas fronteiras eólicas e serem descobertas e exploradas, inclusive no Sudeste do país ao passo que tecnologia avança e se utiliza de ventos menos intensos

Camargo foi um dos pioneiros no mapeamento dos ventos brasileiros que resultou, ainda em 2001 no primeiro Atlas Eólico Brasileiro, que segundo ele, tem um viés conservador e que mesmo assim apontou para a existência de um potencial de geração de 143 GW somente por meio da força dos ventos. Esse volume equivale a 10 usinas de Itaipu ou a quase a totalidade do que o país possui em capacidade instalada no acumulado de um século de setor elétrico.
Segundo ele, os problemas do setor são conjunturais e possuem solução, basta o governo não quebrar a confiabilidade nas regras que os investidores sempre aparecerão. Isso porque há vento para todos no Brasil e cada vez mais teremos novas áreas e fronteiras a serem descobertas, como ocorreu recentemente com o Piauí. Nesse sentido dos novos caminhos ele aponta o litoral do Sudeste e estados do interior do país como Goiás, bem como os mais ao norte como Roraima e Amapá. Confira a seguir os principais trechos da entrevista do executivo da Camargo-Schubert e Nabrawind (empresa sediada em Navarra, na Espanha) à Agência CanalEnergia e que foi homenageado no Brazil Windpower 2016 com o título de Embaixador do Vento ao lado de seus companheiros de ITA, Bento Koike, da Tecsis, e Mário Araripe, da Casa dos Ventos.
Agência CanalEnergia: Por que os ventos brasileiros são apontados como alguns dos melhores do mundo?
Odilon Camargo: Passados 40 anos desde que comecei a atuar nesse mercado no projeto aerodinâmico de aerogeradores e depois de correr atrás de locais para a instalação de parques eólicos enquanto não havia projetos no país ao inventariar os locais mais apropriados, vemos que o Nordeste é um local ótimo para essa fonte. Isso porque há centros de alta pressão estacionários entre o litoral nordestino e a África que influenciam diretamente os ventos alísios. Essa mesma característica poderia ser vista em seu equivalente no hemisfério Norte que abrange o México e a Flórida, mas ali há baixa pressão e acaba levando à ocorrência de furacões. Na mesma faixa mas no hemisfério sul temos a Indonesia e norte da Austrália, mas ali há tufões. Aqui, os ventos são comportados e intensos, assim como na Etiópia que vem passando pelo crescimento no uso de seus aproveitamentos eólicos.
Agência CanalEnergia: A fonte eólica alcançou a meta não oficial de 10 GW na primeira década em sete anos. A que se deve atribuir essa expansão acelerada no Brasil, somente aos ventos?
Odilon Camargo: Quando a gente observa a expansão da eólica no mundo, principalmente na Europa, o crescimento teve uma base muito forte em subsídios e incentivos para a indústria. A crise de 2008 foi boa para o setor porque a indústria teve que sair da zona de conforto e competir globalmente e para isso teve que baixar o preço e o custo de geração. Em qualquer lugar do mundo, especialmente em países em desenvolvimento a energia tem peso essencial para o crescimento econômico. E essa indústria encontrou mercado justamente na América Latina, África e Ásia. O Brasil entrou no mapa mundial do setor eólico no momento certo e os leilões consolidaram a fonte cujo modelo está sendo aplicado até mesmo pela Alemanha, o que me deixou entusiasmado. Antes a tarifa estava na casa de 90 euros, agora o preço teto por lá será de 70 euros. Isso mostra que a competição no mundo passará a ser por custo de geração. Isso traz benefícios para o setor como um todo já que os fabricantes terão que apresentar produtos novos para ser mais eficientes.
Agência CanalEnergia: Nesse sentido, quais novas tecnologias devem surgir no mundo?
Odilon Camargo: A questão é que para aumentar a capacidade de um equipamento deve-se aumentar as pás e o rotor. Só que isso traz um problema que é a logística em função das estradas. E não é somente no Brasil, e sim em todo o mundo, os parques estão localizados em regiões mais acidentadas e de difícil acesso. Começou então o movimento de dividir as pás. A Wobben Enercon já tem uma em proporções de 20% e 80%. Há outras formas de divisão como ao meio que traz benefícios no transporte. Hoje há pás na Dinamarca de 88 metros de comprimento. Outro caminho da energia eólica são as torres mais altas e de aço. Hoje as torres de concreto são até oito vezes mais pesadas que as de aço. Outra vantagem é o tempo que leva para ser construída, e ainda, com o advento do aumento dos rotores a torre acaba se elevando a mais de 120 metros. Para montá-la é necessário um guindaste especial, uma máquina rara e de 90 toneladas de peso. Isso, obviamente, traz importantes custos logísticos. Uma torre modular é a resposta para reduzir esses custos e inclusive podendo ser transportada até mesmo por caminhões comuns. Você não dispensa o uso de guindastes, mas usa os mais comuns e depois no processo de construção pode sobrepor módulos podendo aumentar a 150 metros, 200 metros... nesse modo para erguer uma torre o céu é o limite.
E ainda, há diversas ideias mirabolantes para a geração de energia eólica no mundo, mas não foge à necessidade de captação de vento por meio de pás, quanto maior a área de alcance das pás mais energia cinética é gerada pelo vento e transformada em energia elétrica. Portanto, a forma de avanço sempre se dará pela elevação das dimensões dos aerogeradores. Hoje temos máquinas de 2 MW e com 115 metros de altura com produtividade sensacional, mesmo com pouco vento. Se aumentar em 10% a 20% a dimensão da pá tem quase a mesma proporção de elevação do fator de capacidade sem o aumento significativo do capex, o que reduz o custo de geração. No geral, o horizonte que se descortina é de baixar o custo de geração em até 25%.
Agência CanalEnergia: No Brasil a energia eólica tem se concentrado no Sul do país e no Nordeste, principalmente. Há novas regiões para aproveitamento eólicos que podemos ver fora dessas áreas?
Odilon Camargo: Aqui no Brasil a tendência também é de aumentar a torre e o rotor. Com o avanço dos equipamentos, há uma boa perspectiva de que teremos energia eólica competitiva no litoral norte do Rio de Janeiro seguindo para o Espírito Santo, onde já mapeamos áreas que se mostram atraentes para novos projetos. Ali temos vantagens como capacidade de escoamento, proximidade de carga, de logística. Além dessas regiões há possibilidade de novos projetos no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Essas localidades podem se beneficiar do surgimento de máquinas mais produtivas que podem se utilizar de ventos menos intensos.
Em termos de novas fronteiras um estado que é promissor em termos de expansão eólica é Roraima. E essa região pode se beneficiar bastante uma vez que vive ciclos de crise, pois tem seu abastecimento vindo da usina venezuelana de Guri cujo reservatório vem secando, o que afeta o atendimento da demanda naquele local. E não é somente esse, vemos ainda o Amapá, o interior do Mato Grosso do Sul e Goiás como possíveis novas fronteiras do setor. Mas é preciso ressaltar que no Nordeste, como um todo, ainda possui muitas áreas a serem exploradas e que ainda não aparecem no mapa da geração eólica nacional. Algumas destas são maravilhosas em termos de expansão. Foram descobertas há 3 ou 4 anos e ainda tenho comigo que há muitas outras a serem descobertas.
CanalEnergia: O nosso potencial estimado é de 500 GW, acredita que com o avanço dos dados de medições esse numero tende a aumentar?
Odilon Camargo: Em 2001 fizemos o atlas eólico nacional de forma bem conservadora e apontamos para 143 GW, pouco mais de 10 Itaipus. Recentemente conseguimos alcançar 10 GW de potência instalada e 19 GW contratados, ou seja, pouco mais de 10% desse volume conservador. Olhando para o futuro, vemos o desenvolvimento tecnológico abrindo novas fronteiras. Há vento para todo mundo e na eólica o limite de potencial é o nosso consumo, pois com as novas máquinas se passa a aproveitar ventos 7,5 a 8 metros por segundo e se pensarmos que podemos utilizar ventos a partir de 6 metros por segundo, então, isso amplia o potencial, e ainda nessa conta devemos colocar a elevação da altura das torres em comparação com o que tivemos na elaboração do atlas de 143 GW. Cada vez mais os aerogeradores conseguem produzir com ventos menos intensos e isso com economicidade e competitividade. 
Agência CanalEnergia: Nas discussões do Brazil Windpower deste ano observamos que a transmissão é um gargalo importante para o setor. Há alguma forma de destravar essa questão?
Odilon Camargo: Essa questão apresenta duas vertentes principais. A primeira é que ainda há limitações decorrentes do mal atendimento por linhas de transmissão, principalmente no Nordeste onde temos algo entre 6 GW e 7 GW de eólicas que se somam às UHEs do São Francisco e levam a um potencial total de 10 GW, um volume que indica a necessidade de termos mais linhas para o escoamento desse potencial para outras regiões. Outra questão é a ambiental que para os parques a licença é muito mais rápida, já para as linhas os problemas são fundiários e ambientais. Mesmo com a declaração de utilidade pública por parte da Aneel, encontrar todos os proprietários das terras é complicado.
Além disso, é bom lembrar que o problema da transmissão no setor eólico deve-se a uma virtude dessa fonte, a rapidez com que fica pronta. Mas isso não é exclusividade do Brasil, há a mesma dificuldade de escoamento até mesmo na China, Estados Unidos e Índia por sua extensão territorial. Aliás, no Texas, que concentra de 80% a 90% da expansão eólica nos Estados Unidos, o governo local desenvolveu projeto de linhas para se adiantar à demanda. Ao passo que os parques vão ficando prontos já encontram a conexão disponível. E se quando esse circuito estiver saturado já há as torres para que seja colocado o segundo circuito. Aqui no Brasil o planejamento da EPE que interconecta o Nordeste com o Sudeste é positivo, pois a carga está nesse maior submercado o que dará vazão à produção eólica. O que eu tenho ouvido é que em 2019 a questão da conexão estará bem equacionada e que teremos linhas para todo mundo, uma noticia muito importante para o setor elétrico do país. 
Agência CanalEnergia: O maior problema não é técnico então, é de financiamento, como vimos na edição deste ano do Brazil Windpower?
Odilon Camargo:Todas as questões técnicas têm solução. É uma questão de tempo e recursos disponíveis e essa última questão, do financiamento, é conjuntural. O momento é preocupante já que grande parte dos financiamentos e empréstimo ponte tem o BNDES como apoiador e de repente vem e fala que deve reduzir essa participação, inclusive, retroativamente, olhando até mesmo para aqueles contratos já assinados. Isso é uma questão muito grave porque afeta diretamente a confiabilidade que é necessária para que os investidores tirem o dinheiro do bolso e apliquem em projetos. Essa sinalização do banco traz uma total falta de confiabilidade aos investidores que vão querer aumento do retorno sobre o investimento e isso afeta as tarifas, pois com o aumento do risco o custo sobe e isso, quem paga, somos nós consumidores. Mas essa situação é conjuntural, sempre há um fim do mundo chegando e o da vez é a questão do financiamento.

 

 

Agência Canal Energia

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
EXPOMAFE - Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta

  CopyRight © GasNet - 2013