GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
22nd International Conference and Exhibition on P ...
(22/5/2018 - 24/5/2018)
Marriott Houston Westchase, Houston, TX USA
PennWell Corporation

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  GD - Atualidades
  Autor/Fonte: Vega Solar
  Data: 18/06/2017

    Mercado fotovoltaico brasileiro pode movimentar R$ 313 bi nos próximos 10 anos


O mercado fotovoltaico brasileiro deverá atingir até R$ 313 bilhões nos próximos 10 anos, com projeção embasada principalmente por conta do ranking BNEF no quesito “Atratividade para Projetos de Energias Renováveis” onde, numa lista global de 58 países, o Brasil aparece na terceira (3ª) posição.

Relatório inédito lançado no país aponta que a fonte solar pode representar 32% da matriz elétrica nacional em 2040, com 75% da capacidade instalada proveniente de geração distribuída (residências, comércios e indústrias autoprodutores de energia) e o restante de geração centralizada (as grandes usinas solares).

Prova disto, são os frequentes anúncios de gigantes mundiais anunciando abertura de filiais em solo brasileiro, a última foi a multinacional chinesa J.A Solar (www.jasolar.com), no último dia 13/06/17.

O montante de R$ 313 bilhões é destacado no primeiro relatório de mapeamento da cadeia de valor da energia solar fotovoltaica no Brasil, divulgado nesse mesmo dia.

O estudo foi desenvolvido pelo Sebrae, Banco Interamericano de Desenvolvimento e Organização dos Estados Ibero americanos e posteriormente auditado pela Clean Energy Latin America (www.celacleanenergy.com).

O trabalho é pioneiro no Brasil e mapeia desde o potencial solar fotovoltaico no país até projeções para o segmento na matriz elétrica brasileira, passando por pontos como panorama de investimentos, arcabouço regulatório e fiscal, programas e incentivos, alternativas de financiamento, tendências tecnológicas e de mercado e movimentações estratégicas dos principais players.

Em relação às linhas de crédito e financiamento, o relatório mostra que a cadeia de valor da energia solar fotovoltaica no Brasil possui 69 linhas disponíveis, sendo a burocracia e as restrições para financiamento de equipamentos importados os maiores gargalos de financiamento no segmento.

Atualmente o Brasil conta com mais de 1.600 empresas atuantes no segmento solar fotovoltaico, com oito montadoras de módulos fotovoltaicos, um fabricante de células fotovoltaicas, pelo menos 11 fabricantes de inversores e cerca de 400 fabricantes de outros equipamentos e componentes, além de mais de 1.000 fornecedores de serviços.

Em relação ao preço final da energia, o estudo diz que a micro e minigeração solar atingiu a paridade tarifária em 44 distribuidoras do país, o que representa 75% dos consumidores brasileiros de baixa tensão.

O custo da energia solar fotovoltaica no mundo caiu mais de 80% entre 2009 e 2016.

Os sistemas fotovoltaicos com módulos montados no Brasil, de acordo com o estudo, são em torno de 20% mais caros dos que os importados. Impostos não recuperáveis, mão de obra, encargos trabalhistas, frete de importação de componentes e obrigações de investimento em P&D estão entre os fatores que contribuem para discrepância de custo.

Apesar de ser competitivo comparado com o mercado internacional em alguns elos da cadeia de valor, o Brasil ainda tem gargalos a destravar, como acesso a financiamento, carga tributária, qualificação da mão de obra, tamanho reduzido do mercado, infraestrutura logística e riscos cambial e regulatório.

 

Fonte: Vega Solar / CanalEnergiaNews Diária (15/06/2017)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013