GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: Abegás/Sindcomb Notícias
  Data: 06/07/2017

    Nova edição do Plano Decenal prevê apenas UPGN do Comperj


PDE 2026 entra em consulta pública a partir do início de julho, segundo EPE

A nova versão do Plano Decenal de Energia (PDE), que tem cenário energético até 2026, deve entrar em consulta pública a partir do começo do próximo mês. No campo dos combustíveis, o plano não apresenta mudanças em relação a novas refinarias, e prevê apenas a entrada em operação de sua Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do insumo proveniente da Bacia de Santos, no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Segundo o diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Ferreira Coelho, o plano prevê somente o segundo trem da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. “O que a gente sabe que pode ocorrer é a Petrobras abrir mão de alguns ativos de refino, como já está anunciando. Mas não é refinaria nova, não está adicionando capacidade. Investimento novo mesmo não vemos, embora tenha interesse de alguns países de investir em refino no Brasil”, diz.

Sobre o interesse internacional, ele cita que existem sondagens de países como China e Índia, que poderiam entrar em parceria com a Petrobras e que esses países procuram o governo para sondar a conjuntura atual do país. “O que vemos em conversas é que esses agentes querem entender o mercado. Querem entender o momento político e as inseguranças políticas”, completa.

Derivados

O diretor da EPE disse também que a entrada em operação do segundo trem da Rnest adicionaria ao parque de refino brasileiro uma capacidade extra de 130 mil barris diários, mas não resolveria o problema da importação de diesel por parte do país. Ele explica que o Brasil ainda é um grande importador de diesel porque há o aumento da demanda mas não há oferta de refino, com exceção do segundo trem da Rnest, capaz de fazer frente à essa elevação.

“Então, diesel é o grande problema de importação. Com relação á gasolina o que a gente vê é que a oferta e demanda ainda caminham juntos”, analisou, durante apresentação de estudo sobre a conjuntura de combustíveis, realizado pela EPE e IBP.

Coelho disse também que o RenovaBio deverá dar novo sinais positivo para o setor sucroenergético, que deverá, a partir desse programa, um amento de investimentos. Portanto, poderá ocorrer maior oferta de etanol. Este é um programa do governo federal voltado para ampliar a produção de biocombustíveis e reduzindo em 43% as emissões de gases de efeito estufa.

“Mesmo em 2017 ou 2018, com relação à demanda de gasolina, que caiu muito por conta da crise econômica, não deverá crescer muito. Por isso não vemos grande preocupação por conta da importação da gasolina”, ressaltou.

 

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013