GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
22nd International Conference and Exhibition on P ...
(22/5/2018 - 24/5/2018)
Marriott Houston Westchase, Houston, TX USA
PennWell Corporation

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Termelétricas - Artigos
  Autor/Fonte: Redação da Abegás
  Data: 16/07/2017

    Gás se consolida como base para geração térmica no PDE 2026


 Participação do gás natural na matriz energética será de 4,8 GW  adicionais em capacidade instalada em dez anos

O gás natural se consolida como base na expansão das termelétricas para o horizonte dos próximos 10 anos, conforme está no Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2026, que entrou em consulta pública em 07 de julho de 2017. A previsão do órgão planejador é que para o horizonte do estudo, a participação do gás natural na matriz energética será adicionada em 4,8 GW de capacidade instalada. Atualmente, a fatia é de 12,5 GW e chegará a 17,3 GW ao fim de 2026.

O estudo informa que o gás é o combustível de referência para as térmicas daqui para a frente, tendo o GNL como o padrão para as novas usinas, tendo ainda a expectativa de entrada do gás produzido no pré-sal, embora ainda com vista com incerteza pelo planejador. Estão consideradas no PDE, as térmicas a gás natural com ciclo aberto, com possibilidade de operação flexível e com fatores de inflexibilidade de 50%, 80% e 100%.

Porém, a EPE aponta como fundamental o equacionamento da disponibilidade do gás e do gasoduto de transporte, já que pelas regras atuais, a usina precisa ter garantido o combustível mesmo que fique longo período sem gerar energia.

Já o consumo de gás natural termelétrico como um todo sairá de 35,8 milhões de m³/dia, tendo uma leve queda para 34,4 milhões de m³/dia, em 2021. Porém, para 2026, saltará para 46,2 milhões de m³/dia. Do total previsto para 2026, a geração elétrica por meio do gás natural deverá ser ampliada em 19,8 milhões de m³/dia, com o setor industrial consumindo, ao fim do horizonte de dez anos, mais 10,3 milhões de m³/dia.

Gás na indústria

Entre as fontes que abastecem o consumo industrial, o gás natural é o único que ganhará espaço no horizonte planejado pela EPE. Atualmente, a participação da fonte no consumo industrial é de 8,3% e, ao final dos próximos dez anos poderá chegar a 10,2%, chegando perto de fontes como lenha, carvão vegetal, carvão mineral e derivados.

Diante disso, a participação da indústria no consumo de gás passará de 38,3% para 44,2%, se consolidando no período como principal destinação do insumo. Para fins de geração de energia elétrica, sairá de 34,4% para 29,1%.

 

Fonte: Brasil Energia Online (10/07/2017)

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013