GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Seminário Internacional - Mobilidade a Gás Natural ...
(22/11/2018 - 23/11/2018)
Hotel Hilton Copacabana – Av. Atlântica 1020
Abegás/Gas Natural Fenosa
Evento 100% dedicado ao mercado de GNV
Objetivo:
Apresentar as soluções tecnológicas e os b ...

 
 
Asset Management, Operational Excellence Forum for ...
(29/11/2018 - 30/11/2018)
Bilderberg Garden Hotel, Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
"Maintenance for Oil and Gas Petrochemical Europe"
The Asset Management and Operational Excelle ...

 
 
Global Forum on Procurement and Supply Chain Manag ...
(24/1/2019 - 25/1/2019)
Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
Global Forum on Procurement and Supply Chain Management for the Oil and Gas Industry has encountere ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: TN Petróleo
  Data: 11/07/2018

    Anuário da Indústria de Petróleo 2018 traz contexto e perspectivas sobre o mercado


 Anuário da Indústria de Petróleo 2018 traz contexto e perspectivas sobre o mercado

 
Fabiano Veneza, Firjan Fabiano Veneza, Firjan

O Sistema FIRJAN lançou em 5 de julho de 2018 a 3ª edição do Anuário da Indústria de Petróleo, com fatos e dados estatísticos do ano de 2017, além das perspectivas e desafios para 2018. O evento de lançamento reuniu os principais players do mercado.

“O novo ciclo de oportunidades em P&G no país finalmente se iniciou. Nos leilões do ano passado e deste ano pudemos visualizar, o apetite dos investidores, evidenciando a força do Brasil e de suas reservas. Precisamos continuar mantendo essa sinergia para prosperar no futuro”, discursou Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da FIRJAN.

Já Décio Oddone, diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), defendeu que mais empresas sejam atraídas para o país, de modo a preencher o potencial de investimentos desta indústria. De acordo com ele, estudo da Agência aponta potencial de R$ 2,5 trilhões de investimentos a serem atraídos nos próximos 10 anos.

“Seria um investimento de R$ 250 bilhões por ano ao longo deste período. Isso não cabe no balanço de uma única empresa. Por isso, precisamos diversificar os atores, precisamos de muitas companhias produzindo e gerando emprego no Brasil", afirmou.

Ainda de acordo com Oddone, o governo pode arrecadar cerca de R$ 1,8 trilhão em tributos e royalties ao longo de 30 anos, caso consiga realizar o megaleilão do óleo excedente dos campos da área da Cessão Onerosa, na Bacia de Santos: “Considerando que o volume estimado do excedente do óleo nessa concessão seja de pelo menos dez bilhões de barris de petróleo, será necessária a instalação de 17 sistemas de produção. Somente as plataformas necessárias para isso representarão investimentos da ordem de US$ 102 bilhões”.

No entanto, para a realização do megaleilão ainda neste ano, é necessário que governo federal e Petrobras cheguem a um acordo em relação às negociações sobre o contrato da Cessão Onerosa. Em 2010, o governo concedeu à Petrobras o direito de explorar, sem leilão, reservas de 5 bilhões de barris de petróleo.

Sobre a publicação

O Anuário da Indústria de Petróleo foi realizado com base, principalmente, em dados divulgados pela ANP e pela U.S. Energy Information (EIA), além de contar com artigos de renomadas instituições do mercado. O documento oferece análises do Sistema FIRJAN, do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), da Petrobras, das oil companies Total e BP, as visões da Plural e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além da contribuição e patrocínio da JLT.

De acordo com o documento, 30% da produção de óleo do país vêm do Campo de Lula, enquanto 44% da produção do estado do Rio em 2017 vêm da Bacia de Santos. Além disso, a arrecadação de participações governamentais aumentou 83% em comparação a 2016. Em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I), o mercado registrou montante de R$ 88,7 milhões em 2017, em face dos R$ 33,6 milhões no ano anterior.

“Outro dado relevante é que há mais de US$ 500 milhões em investimentos para exploração a partir das rodadas deste ano e a previsão de instalação de 12 dos 13 sistemas de produção até 2021 nas águas fluminenses”, detalhou Karine Fragoso, gerente de Petróleo, Gás e Naval da FIRJAN.

Em seu artigo, a Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência, conhecida como Plural, detalha os desafios e oportunidades do segmento de downstream. De acordo com Helvio Rebeschini, diretor de Planejamento Estratégico e Mercado da entidade, o segmento foi responsável por R$ 127 bilhões em arrecadação tributária em 2017. “O país tem demanda crescente, mas precisamos investir pesado em infraestrutura pelos próximos 30 anos para poder supri-la”, destacou.

Por sua vez, Rodrigo Protasio, CEO Resseguros da JLT, abordou a questão do descomissionamento, quando se chega ao fim do ciclo de vida de um poço produtor de petróleo e este é devolvido nas condições originais, livre de danos ambientais. Para ele, a indústria vem dando pouca atenção ao assunto, já que até a metade desta década houve um número reduzido de projetos offshore descontinuados. “Precisamos prosseguir com esse debate para que estejamos prontos, com regulamentos claros, quando as primeiras desmontagens começarem a acontecer”, alertou.

Eduardo Chamusca, gerente geral da SBM Offshore, ressaltou como o ambiente de negócios do Brasil se mostrou mais atrativo aos investidores internacionais com a possibilidade de diversificar os operadores no pré-sal: “O fim da cláusula de operador único da Petrobras foi uma das mudanças que mais contribuiu para esse novo cenário”.

Visão internacional

O evento contou ainda com um painel estratégico internacional, correalizado com a The Oil & Gas Year (TOGY), apresentando o contexto mundo para o mercado de petróleo. A iniciativa foi uma parceria com o Sistema FIRJAN. “Lançaremos este ano um relatório sobre o mercado P&G no Brasil também”, anunciou Madalena Soares de Albergaria, diretora da TOGY.

O debate contou com a participação de Eduardo Chamusca, gerente geral da SBM Offshore; de Antônio Guimarães, secretário executivo de Exploração e Produção do IBP; de Antonio Frederico Rodrigues, gerente financeiro da Prezioso Lingebygg; e de Alexander Thomson-Payan, fundador-presidente da Thomson Group International.

Mais informações sobre o Anuário em:

http://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/anuario-petroleo-e-gas.htm#pubAlign

 

 

 

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013