GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Seminário Internacional - Mobilidade a Gás Natural ...
(22/11/2018 - 23/11/2018)
Hotel Hilton Copacabana – Av. Atlântica 1020
Abegás/Gas Natural Fenosa
Evento 100% dedicado ao mercado de GNV
Objetivo:
Apresentar as soluções tecnológicas e os b ...

 
 
Asset Management, Operational Excellence Forum for ...
(29/11/2018 - 30/11/2018)
Bilderberg Garden Hotel, Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
"Maintenance for Oil and Gas Petrochemical Europe"
The Asset Management and Operational Excelle ...

 
 
Global Forum on Procurement and Supply Chain Manag ...
(24/1/2019 - 25/1/2019)
Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
Global Forum on Procurement and Supply Chain Management for the Oil and Gas Industry has encountere ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Atualidades
  Autor/Fonte: Valor Econômico / Abegás
  Data: 19/10/2018

    Petrobras tem 12 negócios avançados


Com um quarto de sua meta de parcerias e desinvestimentos executada até o momento, a pouco mais de dois meses para o fim do ano, a Petrobras tem na venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) o seu principal trunfo para se aproximar do cumprimento da meta de venda de ativos. A estatal possui, contudo, ao menos outros onze pacotes de ativos em fase vinculante e vive a expectativa de desengatilhar as negociações até o fim de dezembro.

Segundo uma fonte, há muitos negócios no horizonte dos próximos meses. Entre os mais avançados está a venda conjunta dos polos de Enchova e Pampo, em águas rasas na Bacia de Campos, pelos quais a Ouro Preto apresentou a melhor oferta. Outro desinvestimento em curso é o da fatia de 50% da PetroÁfrica, para a Vitol, avaliada em cerca de US$ 1,3 bilhão.

A lista de negociações em fase vinculante inclui também a refinaria de Pasadena (EUA); a venda conjunta dos campos de Tartaruga Verde e Mestiça e Módulo 3 Espadarte (Bacia de Campos); os campos de Piranema (Sergipe); Maromba (Bacia de Campos); Baúna (Bacia de Santos); além dos campos em águas rasas de São Paulo e de Sergipe; dos ativos em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas; e de um conjunto de campos terrestres.

Como parte de seu plano de redução da dívida, a petroleira assumiu o compromisso de levantar US$ 21 bilhões em parcerias e desinvestimentos no biênio 2017/2018. Até o momento, atingiu a marca de US$ 5,7 bilhões. O negócio mais recente, anunciado na semana passada, foi a formação de uma joint venture com a americana Murphy Oil, para exploração e produção no Golfo do México (EUA), e que envolve uma compensação de US$ 1,1 bilhão.

Desde o ano passado, a estatal anunciou também a venda do campo de Azulão, para a Eneva (por US$ 56,5 milhões); de 25% do campo de Roncador (US$ 2,667 bilhões), para a Equinor (ex-Statoil); dos ativos de distribuição de combustíveis do Paraguai para o grupo Copetrol (US$ 383 milhões); e abriu o capital da BR Distribuidora, numa operação que lhe garantiu R$ 5 bilhões (US$ 1,5 bilhão pela cotação na época da operação, em novembro de 2017).

O grande trunfo da Petrobras, contudo, é a venda de 90% da TAG, que reúne os gasodutos das regiões Norte e Nordeste. O UBS estima que, sozinho, o ativo possa render entre US$ 8 bilhões e US$ 9 bilhões, ou seja, cerca de 40% da meta de desinvestimentos da estatal. A francesa Engie e o fundo canadense Caisse de Depot et Placement du Quebec planejam oferecer até US$ 9 bilhões pela TAG, US$ 1 bilhão a mais que a oferta inicial, segundo a Bloomberg.

A venda do ativo está suspensa desde junho, quando o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar proibindo a venda de estatais e suas subsidiárias sem o aval do Congresso.

A Petrobras e o governo tentam, contudo, destravar o negócio ainda neste ano. A ideia é utilizar um dispositivo da Lei 9.478 de 1997, a Lei do Petróleo, para retomar a negociação mesmo sem decisão sobre a liminar. O entendimento é que a lei autoriza a venda de subsidiárias da Petrobras, ao dizer que para estrito cumprimento de atividades de seu objeto social que integrem a indústria do petróleo, fica a Petrobras autorizada a constituir subsidiárias, as quais poderão associar-se, majoritária ou minoritariamente, a outras empresas.

 

Fonte: Valor Econômico / Abegás (16/10/2018)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013