GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Seminário Internacional - Mobilidade a Gás Natural ...
(22/11/2018 - 23/11/2018)
Hotel Hilton Copacabana – Av. Atlântica 1020
Abegás/Gas Natural Fenosa
Evento 100% dedicado ao mercado de GNV
Objetivo:
Apresentar as soluções tecnológicas e os b ...

 
 
Asset Management, Operational Excellence Forum for ...
(29/11/2018 - 30/11/2018)
Bilderberg Garden Hotel, Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
"Maintenance for Oil and Gas Petrochemical Europe"
The Asset Management and Operational Excelle ...

 
 
Global Forum on Procurement and Supply Chain Manag ...
(24/1/2019 - 25/1/2019)
Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
Global Forum on Procurement and Supply Chain Management for the Oil and Gas Industry has encountere ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Gasodutos - Artigos
  Autor/Fonte: EPBR / Abegás
  Data: 04/11/2018

    Sergipe ganhará gasoduto de 128 km para escoar gás natural produzido em águas profundas


 

O gasoduto terá trecho submarino com 100 km e trecho terrestre com 28 km, chegando em terra pelo município de Barra dos Coqueiros

 

A Petrobras vai instalar um gasoduto de 128 km de extensão para escoar a produção de gás natural dos projetos de produção dos reservatórios de Farfan, Barra e Muriú, na área dos blocos exploratórios BM-SEAL-10 e BM- SEAL-11, em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas. A produção do módulo 1 da região será feita a partir de um FPSO com primeiro óleo previsto para outubro de 2023.

O projeto atual prevê que a produção do campo será feita por um FPSO com capacidade de 100 mil barris por dia e 8,5 milhões de m³ por dia de gás natural interligado a 15 poços, sendo cinco produtores de óleo, quatro injetores de água conversíveis a injetores de gás, três injetores de água e três produtores de gás. O óleo será escoado por offloading.

O gasoduto terá trecho submarino com 100 km e trecho terrestre com 28 km, chegando em terra pelo município de Barra dos Coqueiros. Segundo dados do IBGE, a cidade tem pouco mais de 29 mil habitantes. Em 2016, ainda de acordo com dados do IBGE, o salário médio mensal na cidade era de 2,1 salários mínimos.

O duto terá 12″ de diâmetro (mesmo diâmetro do trecho submarino) e deverá operar com pressões em torno de 115 kgf/cm² de forma a atender as pressões mínimas para o processamento na UTG-SE. O trecho terrestre vai até a área onde se pretende instalar a Unidade de Tratamento de Gás de Sergipe (UTG-SE), município de Japaratuba. A cidade tem pouco mais de 18 mil habitantes, também de acordo com dados do IBGE.

O projeto prevê a antecipação da produção de gás antes da conclusão da nova UTG, através do aproveitamento de estruturas de transporte e processamento de gás existentes na UO-SEAL. Assim, o traçado do gasoduto possibilitará a interligação do FPSO ao campo de Caioba, a cerca de 95 km do FPSO, através de um gasoduto de aproximadamente 26 km de extensão. A partir do Campo de Caioba, o gás será transportado para o Polo Atalaia, em Aracaju, onde atualmente é feito o processamento de todo o gás produzido nos campos de águas rasas. O Polo Atalaia possui infraestrutura para o armazenamento de GLP e C5+, e para a compressão do gás tratado.

A Petrobras também projeta a instalação de um segundo FPSO na região para o desenvolvimento da produção dos reservatórios de Moita Bonita (concessões dos BM-SEAL-10 e BM-SEAL-4) e de Poço Verde (concessão do BM-SEAL-4A). Este projeto, contudo, ainda está em fase de estudos preliminares, diz a empresa, e depende dos resultados de poços exploratórios a serem perfurados em 2019. Uma maior definição do segundo módulo está prevista para ocorrer em dezembro de 2020 com a provável declaração de comercialidade das descobertas.

Já é certo, contudo, que o desenvolvimento da produção acontecerá de maneira similar ao primeiro projeto. Um FPSO com capacidade para 100 mil barris, escoamento de óleo por offloading e do gás natural por duto para um UTG.

A Petrobras está atualmente vendendo participações minoritárias nos projetos de desenvolvimento da produção das descobertas de águas profundas na Bacia de Sergipe-Alagoas. Batizado internamente como Santana, o projeto de desinvestimento foi lançado em maio e está atualmente em fase de vinculante.

 

Fonte: EPBR / Abegás (30/10/2018)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013