GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
EXPOMAFE — Feira Internacional de Máquinas-Ferram ...
(7/5/2019 - 11/5/2019)
São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, Rodovia dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions/Abimaq


 
 
FLAME 2019
(13/5/2019 - 15/5/2019)
Hotel Okura, Amsterdam
Informa Exhibitions
The European meeting place for the global gas & LNG industry

 
 
10ª edição Brasil Offshore | "Brasil Offshore – A ...
(25/6/2019 - 28/6/2019)
Centro de Convenções Roberto Marinho, Macaé (RJ)
FGuaraná Comunicação Estratégica
Horário: terça a sexta-feira, das 14h às 21h

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: Sindcomb Notícias/Brasill Energia
  Data: 23/01/2019

    Brasil pode retirar gás da Bolívia até 2023


 YPFB diz que, se Petrobras continuar retirando 24 milhões de m³/dia, extensão de retiradas de volumes já pagos ganha ampliação de até dois anos

O governo boliviano diz que o Brasil terá até 2023 para retirar os volumes de gás natural já pagos e ainda não retirados, antes previstos para serem retirados até 2021, conforme explicou o presidente da estatal YPFB, Óscar Barriga. Ainda não há uma definição quanto aos termos da renovação do contrato de importação entre a Petrobras e a Bolívia.

Até o momento, o conhecimento do setor dava conta de que o Brasil poderia retirar os volumes já pagos até 2021. Com essa extensão, o país ganha um tempo adicional para negociar o novo contrato de importação, de acordo com matéria do jornal boliviano La Razón.

Pelo acordo firmado ainda nos anos 90, o Brasil se propôs a comprar um volume mínimo de 24 milhões de m³/dia de gás e um máximo de 30 milhões de m³/dia. Barriga informou que essa extensão para 2023 se manterá caso a Petrobras continue retirando o mínimo estabelecido, como tem ocorrido nos últimos meses.

O primeiro dos quatros contratos de importação – o maior deles, de 18 milhões de m³/dia – vence neste ano. Os demais vencem nos anos subsequentes. Enquanto a situação não se define, os bolivianos vão negociando vendas em paralelo com outros agentes brasileiros.

 

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
EXPOMAFE 2019

  CopyRight © GasNet - 2013