Geral TN Petróleo/Assessoria Firjan 15 outubro 2020

Firjan: empresas apresentam panorama de retomada do mercado offshore

As expectativas de retorno ao crescimento para a cadeia de valor de Óleo e Gás e seu encadeamento produtivo no pós-pandemia foram assuntos da live Panorama do mercado de serviços offshore, realizada em 13/10/2020. Em mais um episódio da websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan, especialistas apresentaram iniciativas de empresas diante dos desafios da pandemia e as principais transformações na indústria de petróleo brasileira. O encontro teve mediação de Heber Bispo, especialista de Petróleo, Gás e Naval da federação.

Os participantes apresentaram projeções, ilustrando as perspectivas para o futuro do comércio de navegação e serviços offshore. As expectativas relacionadas ao mercado antes da chegada da Covid-19 eram grandes e o planejamento das empresas projetava uma ampla retomada em 2020. No momento atual, o Brasil apresenta um horizonte de oportunidades de negócios rico para toda a cadeia, com as empresas voltando ao desenvolvimento das áreas de exploração adquiridas a partir de 2016 e a retomada da sequência de leilões programados para 2021 e 2022.

Já éramos um dos mercados mais promissores, e a Petrobras se voltou estrategicamente para o pré-sal. Ao mesmo tempo, empresas internacionais começam a operar, revitalizando o mercado. O cenário de investimentos é muito bom, frisou Lauro Puppim, diretor Comercial e de Propostas na Saipem.

Segundo dados apresentados pelos palestrantes, até 2024 somente a Petrobras investirá US$ 20 bilhões na Bacia de Campos, com expectativa de produzir um milhão de barris por dia ao final desse período. Entre os projetos de descomissionamento, que resultam numa estimativa total de mais US$ 16 bilhões de investimentos em offshore até 2030, vários estão em andamento, com desembolsos de US$ 6 bilhões, para desativação de 18 plataformas, gasodutos submarinos e poços offshore.

Na minha visão, alcançamos o fundo do poço e já saímos dele. As projeções são excelentes e há muitas perspectivas de contratações, com a criação de serviços e de sistemas de produção, comemorou Erik Cunha, diretor Comercial e de Novos Negócios no Grupo OceanPact.

Daniel Botelho, diretor de Suporte para Américas na Kongsberg Maritime, também citou o otimismo do período pré-Covid-19, quando a indústria vivia um aquecimento, e a importância do posicionamento das empresas em resposta à crise, com destaque para a adoção de novas ferramentas de trabalho e implementação das atividades remotas. O cenário para o mercado é otimista, e a pronta resposta da indústria aos desafios, com rápido ganho de eficiência, está sendo fundamental neste momento. Nós já operávamos muito bem remotamente e não foi uma transição traumática, pontuou Botelho.

A Websérie Óleo, Gás e Naval da Firjan acontece todas as terças, às 16h.