Produção Reuters 04 novembro 2020

Brasil amplia exportação de petróleo à China e é o 3º maior fornecedor em setembro/2020

Pequim/Cingapura, 26/10/2020 – O Brasil avançou para o posto de terceiro maior fornecedor de petróleo bruto à China em setembro/20, mostraram dados de importação no dia 25/10, enquanto os refinadores independentes chineses obtêm suprimentos baratos e de qualidade relativamente alta do país.

As importações do produto brasileiro atingiram 4,49 milhões de toneladas, ante 2,96 milhões de toneladas um ano antes, mostraram dados da Administração Geral de Alfândega da China. O Brasil ultrapassou o Iraque, que caiu para o quinto maior fornecedor.

As importações pela China de janeiro a setembro do petróleo brasileiro foram de 33,69 milhões de toneladas, um aumento de 15,6% em relação ao ano anterior, de acordo com cálculos da Reuters com base nos dados. A China respondeu por 70% das exportações de petróleo do Brasil, disse a estatal Petrobras, em julho/2020.

A Arábia Saudita recuperou o primeiro lugar nas compras de petróleo pela China em setembro de 2020, depois de perder essa classificação para a Rússia nos dois meses anteriores, mostraram dados.

As importações do reino foram de 7,78 milhões de toneladas, o equivalente a 1,89 milhão de barris por dia (bpd), ante 1,24 milhão de bpd em agosto/2020.

A Rússia forneceu 7,48 milhões de toneladas no mês passado, ou 1,82 milhão de bpd, alta de 18,6% em relação ao ano anterior e de 32,8% em relação a agosto, de acordo com cálculos da Reuters.

Durante os primeiros nove meses de 2020, a Rússia permaneceu como o maior vendedor com suprimentos totalizando 64,62 milhões de toneladas, 16% acima do nível do ano anterior. A Arábia Saudita ficou com 63,57 milhões de toneladas, 6,5% a mais no ano.

Os embarques dos EUA aumentaram para 3,9 milhões de toneladas em setembro/2020, contra 517.982 toneladas no ano anterior.
A China abocanhou 13% a mais de petróleo nos primeiros nove meses do que no ano anterior, conforme os refinadores aumentaram a produção para atender à rápida recuperação da demanda e aumentaram os estoques de petróleo barato a taxas recordes.

 

Fonte: Sindicomb Notícias (27/10/2020)