Cogeração TN Petróleo 30 novembro 2020

O projeto Hub Gasines apresenta uma nova solução para escoamento do GN produzido do offshore da região Sudeste

Nos últimos 8 meses, desde março de 2020, quando a EnP Energy Platform foi lançada, nossa empresa vem se dedicando a conceber e articular uma solução competitiva, contribuindo para a viabilização comercial do gás produzido no litoral do Sudeste Brasileiro, tanto do Pré-Sal como do Pós-Sal. Ao longo desse período, o projeto foi sendo aperfeiçoado a partir de feedbacks recebidos nas apresentações feitas para empresas e órgãos governamentais.

Algumas características fazem do Hub Gasines um projeto transformador:

• interconexão e maior flexibilidade da malha de escoamento;

• utilização das capacidades disponíveis de processamento e transporte de gás;

• alternativa competitiva com a injeção;

• facilidades para estocagem de gás;

• interiorização do gás, notadamente para Minas Gerais.

Além da tecnologia, uma inovação está no gerenciamento da utilização simultânea de diferentes ativos de midstream, existentes ou planejados, nos estados do Rio, Espírito Santo e Minas Gerais e com efeitos indiretos em São Paulo.

O coração do Hub Gasines está localizado em águas rasas, nas proximidades da divisa dos estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro, onde será instalada uma jaqueta (estrutura metálica) chamada de COD (Central de Operação e Distribuição). Essa Central receberá gasodutos de múltiplos produtores e poderá escoar, através de diferentes conexões, gás para ser processado em unidades de tratamento, localizadas no Rio de Janeiro e no Espírito Santo, existentes ou em projeto. A COD será fundamental para os novos operadores de E&P, que tendem a se diversificar com os desinvestimentos em curso nas Bacias de Campos e Espírito Santo e com novas descobertas, fruto dos diversos leilões desde 2017, já incluindo o que se antevê do Segundo Ciclo da Oferta Permanente da ANP.

Agora chegamos a uma nova fase, na qual estamos apresentando publicamente o Hub Gasines com o objetivo de convidar investidores para um negócio de elevada atratividade. O passo seguinte é estabelecer uma SPE que vai fazer o licenciamento, o projeto básico de engenharia e, não menos importante, definir o modelo de negócio que vai levar de forma competitiva cada vez mais gás do offshore para o mercado brasileiro.