GNV Sindcomb Notícias/PNB Online 17 março 2021

Com alta dos combustíveis, GNV é bom negócio mas esbarra em escassez

Com a disparada no preço dos combustíveis, motoristas de aplicativos de Mato Grosso têm buscado implantar o Gás Natural Veicular (GNV) como forma de garantir maior rentabilidade.

Nesta segunda-feira (15/03/2021) os preços vigentes no mercado, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), são os seguintes: GNV: R$ 2,86; Etanol: R$ 4,19; Gasolina comum: R$ 5,79; Gasolina Aditivada: R$ 5,89 e Diesel: R$ 4,56.

De acordo com o motorista de aplicativo Herlon Bezerra, 38 anos, a busca por convertedoras GNV aumentou muito, chegando a ter fila de espera de até dois meses para que novos carros sejam adaptados. Além da dificuldade em implantar o novo sistema nos veículos, o consumidor que deseja usar GNV esbarra ainda na falta de postos que vendem o combustível.

Em Cuiabá, existem apenas dois: o Posto Santa Elisa, na avenida Miguel Sutil, e o Posto Ipê, na Rodovia Palmiro Paes de Barros. Segundo ele, neste domingo (14.03) houve desabastecimento e diversos motoristas de aplicativo não conseguiram abastecer os carros com o GNV, tendo que recorrer ao etanol ou gasolina para conseguir trabalhar.

Reduz muito o nosso lucro ter que abastecer com etanol, e pior ainda com a gasolina. Para mim, compensa muito porque com o GNV eu rodo 155 km com R$ 34,91. Os dois únicos postos de Cuiabá não tinham o GNV e ficamos sem. Outro problema é quanto à fila de espera. Sempre que vou abastecer tem uns 10 carros na frente e as convertedoras também não conseguem atender a demanda. Se você hoje quiser converter seu carro, vai conseguir vaga só lá para maio, disse Herlon.

O custo médio para instalação do Kit GNV está em R$ 4,5 mil em Cuiabá, e os postos que vendem o produto investem cerca de R$ 700 mil para podem adequar o local com os equipamentos necessários. O alto investimento é justificado pelo fato de o GNV chegar por dutos, e não em caminhões que precisam trazer de outros estados.

Alto investimento mas pouca oferta

Ao PNB Online, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), Nelson Soares, disse que o Posto Santa Elisa teve um problema na rede elétrica e por isso, de fato, ficou sem conseguir abastecer neste domingo (14.03). Ele negou que o problema seja por falta de abastecimento e disse que o Posto Ipê permaneceu abastecendo normalmente.

Ontem no posto Santa Elisa houve um problema na energia elétrica, e não tinha como manter a pressão que precisa para abastecer os carros. Já está resolvido e tudo funcionando normal. No outro posto, não teve problema nenhum. Daqui para a frente não falta mais combustível.

Segundo o presidente, existe um projeto em andamento que visa a implantação de mais dois postos em Cuiabá para venda do GNV.

Estamos preparando a instalação de mais postos, porque também não podemos pulverizar o atendimento em vários postos porque inviabiliza quem fez o investimento, que é na ordem de R$ 700 mil. Crescendo o volume de novos carros, vai crescendo a oferta, afirmou.

Em fevereiro deste ano, um acidente na BR-070, em Nossa Senhora do Livramento, interrompeu o abastecimento. A explosão num trecho do gasoduto Bolívia-Mato Grosso provocou falta do gás natural nos postos de combustíveis. 

O último levantamento feito em fevereiro mostrou que existem cerca de 3.500 veículos convertidos na capital. O consumo do gás natural é de 60% para a demanda de veículos e 40% para a indústria.

A reportagem buscou contato com diversas empresas convertedoras, mas nenhuma quis comentar a alta na procura e nos preços.