GD Robson Rodrigues 13 outubro 2021

Vibra e Zeg fecham parceria para comercializar biometano

Acordo de Cooperação entre as empresas permitirá produzir e ofertar ao mercado até 3 milhões de metros cúbicos do energético por dia para fornecedores de etanol

Com objetivo de acessar o quase inexplorado potencial de biometano existente no Brasil, a Vibra Energia e a ZEG Biogás firmaram um Acordo de Cooperação para oferecer aos fornecedores de etanol da Vibra uma solução integrada de produção de biometano. A meta das empresas é ambiciosa: produzir 3 milhões de metros cúbicos de gás até 2030, além de fomentar este incipiente mercado de biometano no país.

Os executivos das companhias conversaram com a Agência CanalEnergia e deram detalhes dos planos para o futuro. Inicialmente, os executivos listaram prioritariamente 300 usinas de etanol de 60 grupos industriais fornecedores de etanol da Vibra, com base na localização e demanda energética, e como elas podem utilizar o biometano a partir da vinhaça e efluentes de seus processos produtivos.

O potencial de mercado é gigantesco. O CEO da ZEG, Daniel Rossi, conta que hoje há mais interessados em comprar o insumo do que a capacidade de produzir por conta das diversas vantagens econômicas e ambientais do biometano.

O diretor executivo de Operações, Logística e Sourcing da Vibra, Marcelo Bragança, disse que esses fornecedores da companhia utilizam diesel em suas operações nos canaviais. Além disso, o processo produtivo do etanol gera o subproduto vinhaça, o principal passivo ambiental da indústria sucroalcooleira.

O objetivo é que esse material seja aproveitado para produção de biometano e ao final do processo também como fertilizante para as próximas safras. A ideia não é só substituir a necessidade energética de diesel de uma usina, mas especialmente levar esse biometano para o mercado que utiliza diesel, GLP e gás natural, diz Bragança.

Além de uma oportunidade para reverter um passivo ambiental em um ativo ambiental, Rossi destaca que esse resíduo apresenta um potencial de mercado melhorando as notas de crédito de Cbios, aumentando as potencialidades de emissão de crédito de carbono, além de uma nova linha de receita.

Rossi conta que o principal objetivo é a produção de combustível, mas há a possibilidade de uso para geração de eletricidade. Além do benefício do crédito de carbono, o biometano faz um movimento de substituição de frotas pesadas movidas a diesel que causam diversos problemas diretos e indiretos para a sociedade, afirma.

Fonte: CanalEnergia News Diária (01/10/2021)