GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Gasodutos - Artigos
  Autor/Fonte: Isto É Dinheiro / Estadão Conteúdo
  Data: 2018-07-17

    Nord Stream 2, o projeto de gasoduto alvo das críticas de Trump


 O presidente americano, Donald Trump, criticou novamente, o projeto Nord Stream 2, um gasoduto que poderia duplicar a capacidade de distribuição de gás russo na Europa através do Mar Báltico.

Os Estados Unidos, importante produtor de gás natural, investiu, recentemente, em uma ofensiva comercial em busca de nova receita para o setor, com o apoio de Trump.

Quais são os desafios deste controverso projeto, defendido pela Alemanha, mas que divide os europeus?

Evitar a Ucrânia

O gasoduto Nord Stream 2, cujas operações estão previstas para o começo de 2020, tem uma capacidade de 55 bilhões de metros cúbicos ao ano, o que permitirá duplicar as capacidades da atual Nord Stream.

O trajeto dos dois seria o mesmo: da costa báltica da Rússia até a Alemanha. Os dois países, a Suécia e a Finlândia já deram sua autorização para o projeto -  que atravessa suas águas - mas ainda falta a Dinamarca.

A rota pelo mar Báltico permite evitar que a distribuição do hidrocarboneto russo passe pelos dutos que atravessam a Ucrânia, país com o qual Moscou tem relações tensas e do qual retirou em 2014, a península da Crimeia.

No primeiro trimestre de 2018, o Nord Stream tornou-se a principal entrada de gás russo na União Europeia (UE), com 36% frente aos 34% que transitaram através da Ucrânia, segundo dados da Comissão Europeia.

- Responder à demanda europeia -

Para justificar a duplicação do gasoduto, os dirigentes do Nord Stream 2 defendem que, nos próximos 20 anos, a UE vai precisar aumentar suas importações em 120 bilhões de metros cúbicos para atender à demanda. 

Embora analistas não estejam de acordo sobre o nível da futura demanda europeia, está claro que as importações deverão aumentar já que a produção doméstica recua, de acordo com Thierry Bros, do Oxford Institute.

 A alta das importações futuras virá do gás russo e do gás natural liquefeito (GNL), especialmente, quando é difícil aumentar as procedentes da Noruega e do norte da África, segundo especialista.

O Catar é o principal distribuidor deste último na UE. No primeiro trimestre, a cota de mercado do GNL americano caiu a 1% do total, contra 6% do mesmo período de 2017. 

 

Europeus divididos

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, mantém a prudência. Sem poder se opor, quer garantir que cumpre as regras do mercado europeu de energia, especialmente em matéria de concorrência.

A Polônia e os países do leste já expressaram sua oposição ao projeto. A Alemanha é sua principal defensora, o que a colocou mais uma vez na mira do presidente americano no começo da cúpula da OTAN, em Bruxelas.

Os Estados Unidos  sempre se opuseram a este projeto, apontando para uma contradição fundamental da política alemã, aponta o analista Marco Giuli, do European Policy Centre (EPC).

A Alemanha é um sócio comprometido da OTAN a favor do regime de sanções contra a Rússia, contudo, não reconhece as dimensões políticas do Nord Stream 2, explica ele.

 

 

Fonte: Isto É Dinheiro / Estadão Conteúdo

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group

  CopyRight © GasNet - 2013