GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  GD - Artigos
  Autor/Fonte: Renata Thomazi,Comunicação CIBiogás,fev/19 (7)
  Data: 09/02/2019

    CIBiogás apresenta projetos inovadores no estande da Itaipu Binacional


 

1º Microgrid no Brasil, Ernex – o software de monitoramento de energia, e a Central de Bioenergia em Toledo; inovações a favor do produtor rural, do meio ambiente e do consumidor

Na manhã do dia 07/02/2019 a equipe de engenheiros do Centro Internacional de Energias Renováveis e Biogás – CIBiogás, contemplou os visitantes do 31º Show Rural Coopavel com avanços tecnológicos desenvolvidos em parceria com a Itaipu Binacional, com o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI) e com a Copel. O auditório da binacional dentro do estande propiciou a realização de apresentações relacionadas ao desenvolvimento de pesquisas e e neste contexto, o CIBiogás apresentou três soluções tecnológicas

O diretor-presidente do CIBiogás, Rodrigo Régis de Almeida Galvão acredita que os projetos apresentados são fundamentais para o desenvolvimento da região, mas também ao meio ambiente. Estas soluções energéticas transformam o passivo ambiental em ativo econômico. Conferem destinação apropriada dos rejeitos da agropecuária, e representam um avanço tecnológico de relevância nacional, além de oferecer ao produtor rural alternativas seguras de energia e de renda.

Microgrid

A primeira novidade é um marco de inovação no desenvolvimento de distribuição de energia no Brasil. A engenheira mecânica Larissa Schmoeller é responsável técnica pelo Projeto Piloto de Microgrid na Região Oeste do Paraná, e explica que este esquema de arranjo de eletricidade beneficiará o produtor rural em situações emergenciais de queda de energia.

Larissa conta que será possível atender uma pequena região com microrredes de distribuição elétrica – por isso chamado de microgrid. Apenas de modo emergencial, enquanto o sistema da Copel se restabiliza. No caso a geração energética é limpa e produzida por meio do biogás, característica que confere ao produtor rural destinação ideal dos efluentes e rejeitos da produção, redução de custos energéticos e aumento de renda.

A principal vantagem é a segurança energética que o produtor vai ter: quando cai a energia ele pode ter problemas e prejuízos, como por exemplo, com a produção de pintainhos. Eles podem morrer pela falta de ventilação, ou pela ausência de aquecimento quando se estiver no inverno, exemplifica.

Este projeto oportunizará uma adequação da legislação nacional. Atualmente não há leis que regulamentem este tipo de atividade, e com o desenvolvimento do projeto será possível contribuir para que o Brasil implemente e oficialize este serviço, baseado neste projeto piloto. Larissa, revela que este é o primeiro esquema deste tipo no Brasil, e será implementado na Granja São Pedro Colombari, em São Miguel do Iguaçu, na região Oeste do Paraná.

De acordo com a engenheira, o projeto Microgrid está em execução desde setembro de 2018, e é desenvolvido em parceria com a Copel, recebe apoio técnico da equipe do Laboratório de Automação e Simulação de Sistemas Elétricos, o LASSE do PTI. 

Segundo o responsável técnico do projeto, o engenheiro civil William Marenda, esta centralização será numa área de abrangência, então o projeto estará pontualmente localizado numa área rural que ainda está sendo estudada. A Central irá tratar dos resíduos da área ao entorno desta usina que será instalada. O projeto prevê a instalação da usina com o biogás gerado, com produção de energia elétrica.

O produtor rural terá como principal benefício o tratamento adequado dos resíduos e efluentes produzidos em sua propriedade. Após os procedimentos na central, a maior parte da carga orgânica será transformada em biogás, e a restante resultará no biofertilizante, que poderá voltar ao produtor rural. Ele vai poder usar o biofertilizante como adubo natural para o pasto, campo e lavoura, explica.

Planejamento

 William explica que o projeto é dividido em quatro etapas. Nós estamos na primeira etapa, a de estudos, depois será a de desenvolvimento do projeto, implantação e operação. 

 

Fonte: Comunicaçao CI Biogás (07/02/2019)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group

  CopyRight © GasNet - 2013