GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  GNL - Reportagens
  Autor/Fonte: Wagner Freire / Agência CanalEnergia
  Data: 2019-10-01

    Brasil é o segundo país mais rentável para o grupo Engie


 

Companhia vê oportunidades de crescimento nos negócios de linhas de transmissão, fontes renováveis, e soluções em eficiência energética para clientes finais

 
O grupo franco-belga Engie reposicionou o seu negócio para um modelo de crescimento capaz de enfrentar os grandes desafios da transição energética mundial. A estratégia global da companhia é crescer em três macro mercados: energias renováveis, gás natural e soluções em eficiência energética, direcionando investimentos para tecnologias de baixo carbono, como hidroeletricidade, solar, eólica e sistemas de armazenamento de energia.
 
Com um faturamento anual de 60 bilhões de Euros, a Engie atende a mais de 24 milhões de clientes em 70 países. No Brasil, a empresa possui 61 usinas, somando 10.211 MW de capacidade instalada, se posicionando como a segunda maior geradora de energia do país, atrás apenas da estatal federal Eletrobras. Com a aquisição da TAG neste ano, a empresa também passou a ser a detentora da maior malha de transporte de gás natural do país, com mais de 4.500 km de extensão.
 
Durante a abertura da 9º edição do Seminário Nacional de Operadores de Sistemas e de Instalações Elétricas (SENOP), em Florianópolis (SC), o diretor administrativo da Engie, Júlio César Lunardi, disse que a unidade de negócios do Brasil já é segunda mais rentável do grupo a nível mundial, atrás apenas da unidade francesa.
 
Lunardi sinalizou ainda quais serão os negócios por onde a companhia pretende seguir crescendo no país. A energia solar é a fronteira na qual o grupo imagina crescer no Brasil. Na medida em que o preço da tecnologia continua caindo, há também uma disseminação geral de conhecimento e com isso o seu uso deverá ser maior.
 
A Engie já instalou cerca de 2.300 sistemas de geração solar distribuída, totalizando 28,2 MWp de capacidade e mais de 200 contratos de operação e manutenção ativos.
 
O mercado de transmissão, disse Lunardi, também está no radar da Engie. Atualmente a empresa está construindo 11 linhas e cinco subestações na região centro-sul do Paraná. Os projetos perfazem 1.000 quilômetros de extensão e, quando concluídos, vão gerar uma receita anual de R$ 231,7 milhões para Engie. Esse é um negócio novo que a Engie está entrando e pretende ampliar sua atuação, declarou Lunardi.
 
 
 
Fonte: CanalEnergia News Diária (
 
 
 
 
 
*O repórter viajou a convite da Engie Brasil Energia
Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group

  CopyRight © GasNet - 2013