GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: TN Petróleo/Agência Petrobras
  Data: 31/10/2019

    Durante o evento, Anelise Lara da Petrobras destaca oportunidades no mercado de gás


 

Em palestra na OTC Brasil 2019, nesta terça-feira (29/10/2019), no Rio de Janeiro, a diretora de Refino e Gás Natural da Petrobras, Anelise Lara (foto), comentou que a abertura do mercado de gás natural e as parcerias com outras empresas vão proporcionar ganho de escala, aumento da capacidade de investimento e compartilhamento de riscos no desenvolvimento de novas infraestruturas para destravar valor do gas offshore. A executiva falou durante painel sobre a produção de gás natural dos campos offshore.

Anelise ressaltou a necessidade de timing adequado entre a construção de gasodutos para escoar a produção, a existência de infraestrutura para processamento e o crescimento da produção, especialmente no pré-sal. “Mais de 80% da nossa produção de gás é associada à produção de óleo e desse total 60% ja vem dos campos do pre-sal”, frisou, para ilustrar a importância do gás de campos offshore.

A entrada em operação do próximo projeto para escoar a produção de gás do pré-sal da Bacia de Santos, a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN), em Itaboraí (RJ), que compõe o projeto integrado Rota 3, está prevista para o segundo semestre de 2021. Segundo a executiva, novos gasodutos e novas plantas de processamento podem eventualmente ser necessárias para incrementar a produção de gás natural a partir de 2023.

A diretora reafirmou que, conforme acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) a Petrobras se comprometeu a se desfazer de suas participações na TAG, na NTS e na TBG, além dos 51% que detém na Gaspetro, a subsidiária através da qual a companhia possui participação em 19 distribuidoras de gás no Brasil.

Todo esse esforço vai proporcionar um novo mercado de gás no Brasil, mais aberto e que pode viabilizar preços mais competitivos. Nós podemos fazer isso juntos, com parceiros, completou Anelise.

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group

  CopyRight © GasNet - 2013